Pesquisar nesse blog

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Cuidado com a carência



                                      



Todo mundo em algum momento já sentiu aquela sensação estranha, um aperto no peito que sufoca. Isso tem nome: "Carência". Ela chega a qualquer hora, em qualquer lugar e não dá para ignorar. Ela vem e requisita toda a atenção, muitas vezes nos levando a fazer compras desnecessárias, a comer demais, a beber demais, a exagerar nos doces e no chocolate.

Sentir-se carente é algo que acontece com qualquer ser humano. Para alguns pode ser apenas uma fase passageira, para outros pode durar um pouco mais. No entanto existem pessoas que vivem num eterno estado de carência e só se sentem bem se tiverem alguém ao seu lado para lhes dar toda atenção do mundo. Prova disso são aquelas pessoas que não suportam ficar sozinhas e acabam se envolvendo em relacionamentos que se transformam em sofrimento.

Por medo da solidão, elas se submetem a relacionamentos com pessoas insensíveis, egoístas, ciumentas e exploradoras. E mesmo depois de estarem com alguém, elas se dão conta de que continuam carentes e passam a mendigar atenção, amor e afeto. Se elas olhassem a sua vida veriam que nem sempre um casamento ou uma união com alguém será capaz de suprir o que elas precisam.

Para suprir a carência, podemos estreitar a convivência com nossa família, parentes e com as pessoas que moram próximo à nossa casa. Mesmo que tenhamos problema de convivência em casa, bons momentos podem ser curtidos durante um almoço, um jantar, uma reunião familiar etc. Colegas de trabalho, do colégio, da faculdade e do seu bairro são boas companhias para um almoço, uma balada, um passeio, um cinema e tantas outras atividades.

Mais do que os colegas e amigos com quem possa partilhar alegrias e divertimentos, sempre é bom ter boas amizades que possam oferecer um ombro para ouvir suas angústias, porém é preciso aprender a suprir as próprias necessidades sem precisar dos outros. Quando você reconhece que é uma pessoa bacana e que pequenos gestos de sua parte trazem alegria e te fazem feliz, você descobre que não precisa de ninguém para construir a sua felicidade. Isso inclui valorizar os seus talentos, suas qualidades e reconhecer as coisas legais que você sabe fazer.

Parabenize-se por um trabalho ou algo bem feito, dê a si um presente, compre um chocolate, vá num lugar que lhe agrade, aprenda a ir ao cinema ou vá viajar mesmo que não tenha uma companhia. Prepare para si um café da manhã, um bolo, um almoço ou um jantar, mas faça com que seja algo especial para si mesma.

Curta o prazer de deitar em lençóis cheirosos, de assistir um filme comendo a pipoca que você preparou especialmente para essa ocasião. Abra um vinho e brinde a sua felicidade. Tenha em mente que carinho e afeto não está apenas na vida a dois, mas deve estar principalmente na relação de nós com nós mesmos...




sexta-feira, 24 de julho de 2015

Escolha de amigos


Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Para ser meu amigo tem que ter aquele brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos; quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril."  (Texto de Oscar Wilde que reflete bem meu próprio pensamento)  

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Baú de lembranças




O tempo é algo incrível e nem percebemos que a cada minuto a vida está indo em frente. Com o seu tic-tac ele vive ali pendurado na parede nos levando em direção ao futuro. Em cada minuto adiante nos faz esquecer o passado. A vida passa e a gente vai envelhecendo quase sem querer. Só percebemos isso quando remexemos em nossas memórias.
 
Todo mundo se não teve, um dia terá um baú de bagunças. Eu tenho o meu e quando fui revirar algumas coisas encontrei um sabonete enfeitado. Peguei-o e, como uma viagem, voltei ao lugar de minhas memórias do dia em que entreguei-o de presente para minha mãe. Ela cheirou demoradamente aquele sabonete e se emocionou com a frase gravada: Mãe, eu te amo!
De volta à realidade com olhos marejados, senti que o tempo havia passado e eu não tinha percebido. Comecei a lembrar das muitas histórias que fazem parte da minha vida, que às vezes a gente esquece de lembrar. Acho que a gente devia abrir mais o nosso baú de lembranças. Podemos até topar com a saudade, mas importante é reviver antigas alegrias, algo que o tempo não apaga jamais!...


quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A lenda do Sapo que vira príncipe

 Você se lembra desta história?

Era uma vez uma princesa que, passeando junto a um lago do seu jardim, deixou cair no poço uma bolinha de ouro. Enquanto olhava aflita para a água sem saber o que fazer, eis que surge um sapo feio à superficie com uma solução: "Eu recupero a tua jóia se me convidares para o teu palácio e me deixares lá viver como um príncipe!".

Sem refletir no que se metia, a princesa concordou com todas as exigências do sapo. Ele mergulhou e imediatamente reapareceu com a bola de ouro na boca. Ainda incrédula, a princesa correu para o palácio esquecendo por completo o que acabara de prometer. Pouco depois, eis que surge o sapo.

Em troca da sua bolinha de ouro o sapo exige que ela o ame mais que todos, que brinque com ele, que seja seu amigo mais querido e permita que ele se sente à mesa, que coma no seu prato, que beba do seu copo e durma com ela. Sem considerar inteiramente as implicações de sua promessa, a princesa concorda.

A partir daí a cada dia o sapo então vai aumentando suas exigências de intimidade, baseado na promessa que ela lhe fez. Qual o final da história? Provavelmente você vai responder que a princesa beija o sapo ele vira um príncipe e juntos eles vivem felizes para sempre. Final agradável, porém inexato.

No verdadeiro final do conto de Grimm, aparece a rejeição da princesa, seu conflito e sua raiva. Ela se recusa a levá-lo para sua cama. Quando o sapo ameaça contar ao rei ela o atira contra a parede e eis que ocorre a mágica, o sapo vira príncipe...

O que Grimm quer passar é que devemos expressar nossos sentimentos autênticos que podem transformar até mesmo uma criatura repulsiva em príncipe. O seu sapo pode ser um relacionamento, um emprego ou qualquer situação que venha condicionando sua vida. Cabe a você transformar e reinventar a sua realidade, de modo que ela reflita o que você quer ser, ter e fazer.


Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Seguidores

Minha lista de blogs

Postagens populares