Pesquisar nesse blog

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Administrando expectativas

 
Quando planejamos ou esperamos por algo ou alguém é natural que tendamos a idealizar tudo em nossa mente em seus mínimos detalhes. Daí surgem as expectativas que significa lidar com probabilidades e possibilidades. 
 
As expectativas são formadas a partir de nossos desejos, fantasias e imaginação, podendo muitas vezes exceder à realidade e adquirir proporções difíceis de serem atendidas, deixando-nos vulneráveis à decepção e frustração. É da natureza humana gerar expectativas, que são influenciadas pelo nível de ansiedade, pelos aspectos psicológicos da personalidade, sentimentos, emoções e experiências anteriores. Por isso é essencial aprender a lidar com as expectativas colocando a razão entre a imaginação e a realidade, pois a imaginação tende a manipular os nossos julgamentos e escolhas. 

Administrar expectativas é uma habilidade que se adquire praticando. Antes de tudo precisamos ser realistas quanto às nossas possibilidades e recursos disponíveis, como também analisar o quanto estamos dispostos a investir de nosso tempo e dinheiro. Tudo na vida tem um preço e com a realidade não se discute, é necessário lidar com ela. É a realidade que nos mostra as escolhas e decisões que nos são mais apropriadas e quais resultados podemos esperar.

Outra questão é quando dependemos de outras pessoas. Muitas vezes achamos que as pessoas nos decepcionam quando, na verdade, somos nós quem criamos expectativas irreais sobre elas e suas atitudes. Por isso não devemos esperar que as pessoas tenham a capacidade de adivinhar o que desejamos e o melhor modo de lidar com isso é sendo explícito, dizendo às pessoas o que se espera delas. E mesmo assim, as expectativas são nossas e as pessoas podem falhar.

As coisas que dependem de outras pessoas e de acontecimentos alheios à nossa vontade estão fora do nosso controle, por isso temos de separar o que depende exclusivamente de nós e o que depende dos outros. Podemos até influenciar as pessoas para que elas possam agir segundo nossas expectativas, mas não podemos controlá-las. É inútil esperar por algo sobre o qual não se tem controle e, quanto maiores forem as nossas expectativas em relação às pessoas ou diante de qualquer situação, maiores serão as chances de nos decepcionarmos.

Deixar a vida ser dirigida por expectativas é fechar os olhos para o mundo e uma vida baseada em excessivas expectativas é irreal e perigosa, que pode deixar marcas profundas de decepção, desilusão, desapontamento e frustração. No entanto, quando estamos atentos à realidade compreendemos que cada pessoa pensa, sente e age de uma forma diferente. Cada um tem seu próprio modo de perceber e compreender as coisas.

Nem sempre as coisas e pessoas são como gostaríamos que fossem, mas à medida que ajustamos as nossas expectativas dentro de um padrão lúcido e flexível estaremos nos colocando dentro do que seja realizável, possível e real. Talvez isso não nos afaste de equívocos, mas com certeza teremos menos chance de sermos surpreendidos pela frustração de nossas expectativas. A ilusão alimenta nossa alma, mas é a realidade que nos permite sobreviver.


sábado, 2 de fevereiro de 2013

Reaprendendo a pensar


Muito se fala da força do pensamento positivo. Que bom se a gente conseguisse ficar rico apenas com a força do pensamento... Que bom se pudéssemos atrair tudo que desejássemos só pensando... 

Em menos de 10 segundos somos capazes de criar em nossa mente qualquer imagem. Quando imaginamos algo, uma avalanche de sinais nervosos ocorrem no cérebro. No córtex, milhares de neurônios são acionados e trocam informações em frações de segundo. Numa incrível velocidade, arquivos de memória são vasculhados para fazer surgir a imagem em nossa mente. Ou seja, é rápido e fácil criar um pensamento, materializá-lo como gostaríamos é outra coisa. 

Milhares de livros de autoajuda afirmam que a nossa vida e realidade são resultados dos nossos pensamentos e, se quisermos mudar o nosso mundo pessoal, basta mudarmos os padrões de nossos pensamentos. No entanto, isso não é tão fácil como alardeam. Não existe passe de mágica. Não adianta achar que nosso cérebro é uma lâmpada mágica que tem um gênio disposto a realizar os nossos desejos. 
 
É certo que quem pensa de forma otimista tem muito mais chances do que os pessimistas, mas só isso não basta. A questão é identificar e mudar os padrões de pensamentos, esquecendo muitas das crenças negativas que absorvemos desde o berço e que foram se acumulando durante toda nossa vida. Isso significa reaprender a pensar a nosso próprio respeito, fortalecer a autoestima, adquirir autoconfiança, confiar na nossa capacidade de superação e agir de acordo com isso. Pensamentos geram sentimentos, que determinam os comportamentos e consequentemente influem os resultados.

De acordo com a neurociência o estado de ânimo pode influenciar o nosso organismo de várias maneiras, ou seja, a ideia de pensar positivo não é absurda mas não temos controle total sobre nosso cérebro nem sobre os processos químicos e celulares que ocorrem nele. Ser otimista inclui também ter atitudes otimistas tal como cuidar mais da saúde, abandonar vícios, controlar o estresse, a alimentação etc. Dessa forma, o corpo adquire uma competência imunológica capaz de provocar uma recuperação do corpo. O coração bate melhor quando mantemos o bom humor e damos largas risadas.

O que ocorre é que pensamentos positivos nos fazem agir de forma positiva, o inverso também é verdade. Tudo que fazemos tem suas consequências. É a motivação que nos faz levantar da cama todos os dias. Quando acordamos motivados e dispostos a trabalhar, nos esforçando para cumprir uma meta e superar dificuldades com bom humor, parece que tudo flui mais fácil. Quando a motivação se junta ao otimismo, gera o combustível que nos dá a energia necessária para realizarmos as coisas durante o dia.

Demanda tempo, aprendizado e treinamento para adquirirmos essas duas atitudes: motivação e otimismo. Para isso temos de superar os nossos medos e carências para acreditar em nossas capacidades, desde que não sejamos imprudentes. Se o pessimismo gera ansiedade e medo do fracasso, é a prudência nos fazem calcular os riscos para não sermos excessivamente autoconfiantes e otimistas demais. Pessimismo e prudência são duas coisas diferentes; a prudência não faz mal a ninguém.

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Seguidores

Minha lista de blogs

Postagens populares