Pesquisar nesse blog

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Livre-se dos excessos





As pessoas reclamam com frequência do que não possuem e muitas vezes se esquecem do que tem em excesso. Aliás, o excesso costuma ser mais prejudicial que a falta, mas demora mais para ser percebido. A falta nós notamos imediatamente, o excesso só quando despertam a nossa consciência. Comemos em excesso, trabalhamos em excesso, guardamos coisas em excesso, nos importamos demais com o que os outros dizem. Há um excesso de preocupação que vão se acumulando.

Em geral, possuímos mais do que necessitamos para ser feliz, mas continuamos insistindo na desculpa de que não somos felizes porque nos falta alguma coisa. E de fato falta: falta assumirmos um estilo de vida mais franco, sincero e livre.
Tudo o que temos em excesso demanda tempo e energia para ser administrado: roupas demais, CDs demais, bagunça demais, compromissos demais, pressa demais, lembranças demais, ao invés de guardarmos apenas o que vale a pena, seja pelo aprendizado, seja pela felicidade que nos deram.

Podemos até ter um pouco mais porém sem os exageros de costume.
Podemos reinventar nossa maneira de viver tendo apenas o necessário. Não precisa ser o mínimo necessário, mas viver com menos. Isso traz uma sensação de leveza e felicidade tão maravilhosa que deveríamos experimentar. Na melhor das hipóteses, aprendemos e adotamos um novo estilo de vida. Só reconhecemos que acumulamos coisas em excesso quando estamos mudando de casa ou de escritório. E a gente se pergunta: Para que guardei isso? Nem lembramos mais...

E então desfazendo de um tanto de coisas inúteis, você aprende que pode viver tão bem, ou melhor, com muito menos. E daí se lembra que quando vai acampar, consegue ser feliz apenas com uma mochila... Aliás, tem muita gente pelo mundo que já descobriu as vantagens da utilidade, só tem o que é útil e necessário, porque viver sem acúmulos e excessos, é viver livre e despreocupado.
Nada é mais gratificante que a liberdade, a sensação de que você se basta sem precisar de um arsenal de coisas, sons e cores a seu redor.

E quando se dedica a experimentar essa libertadora sensação, aprende que pode viver com pouco e sempre saberá viver bem em qualquer situação, enfrentará melhor as provações e ausências, sem randes sofrimento e desespero. Porque quem só sabe viver com muito, acaba por confundir-se com seus excessos e na falta deles, não se reconhece.


Precisamos nos libertar dos excessos de vários tipos. Por exemplo, o excesso de informação, tem muita coisa que é só ruído e não merece atenção. Guarde apenas as informações necessárias. O excesso de produtos e serviços é um consumismo que funciona como uma válvula de escape para não olharmos para a nossa própria existência e para o vazio que inutilmente buscamos preencher com as compras. E nos relacionamentos também pode haver excesso. Se você tem inúmeros amigos mas só pode mesmo contar com 1, na verdade você tem 1 só amigo, o resto é excesso ou apenas colegas.

Nunca sabemos se viveremos com mais ou menos do que temos no dia de amanhã, mas se aprendermos a viver com o que é essencial, viveremos sempre bem. Todo excesso é energia acumulada em local inapropriado e causa estagnação. O excesso de excessos corresponde à falta de si mesmo. E se o que te falta é você, nada poderá preencher esse vazio…



Um comentário:

* Edméia * disse...


*Ameiiiiiiiiii este texto !!!

Vou imprimí-lo e passá-lo para

alguns alunos meus !!!

*Obrigada, Lúcia !!! :))

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Seguidores

Minha lista de blogs

Postagens populares